topo

Verão de 1802

1802

No Verão de 1802, os Príncipes Regentes D. João Maria José Francisco Xavier de Paula Luís António Domingos Rafael de Bragança e Bragança (Lisboa, 1767 – Lisboa, 1826) e D. Carlota Joaquina Teresa Caetana de Bourbon e Bourbon (Aranjuez, 1775 – Queluz, 1830), 9ºs e últimos Príncipes do Brasil, 15ºs Duques de Bragança, 9ºs Duques de Beja, sendo ele também Grão-Prior do Crato da Ordem Militar do Hospital de São João de Jerusalém, 19º Condestável de Portugal e 4º Senhor da Casa do Infantado, visitaram eventualmente a Quinta de Seteais, então a convite do seu respectivo proprietário, D. Diogo José Vito de Menezes Noronha Coutinho (1739-1803), 5º Marquês de Marialva e 7º Conde de Cantanhede, Estribeiro-Mor do Reino e Camareiro-Mor da Corte, que comemorou o evento mandando edificar um arco triunfal neoclássico, coroado retratista e legendado latino – unificando assim ambos os corpos simétricos residenciais com uma reconhecida celebração panegírica – sob eventual intervenção escultórica de Francisco Leal Garcia e segundo projecto arquitectónico de José da Costa e Silva.