topo

Quinta do Molhapão

quinta-molhapaoO documento mais antigo que se conhece referente a esta propriedade data de 19 de novembro de 1633. Em 1682, a família Barberino adquire a propriedade, situada em Belas, que ainda hoje lhe pertence.

Logo após a aquisição a propriedade recebeu o estatuto de morgadio e terá sido alvo de obras de restauro e ampliação. A intervenção levada a cabo ter-se-á prolongado por boa parte do séc. XVIII, uma vez que a maior parte dos azulejos que decoram algumas das estruturas datam desse período. Volumetricamente apresenta uma estrutura paralelepipédica, retangular horizontalista (a chamada “casa comprida”), de formas depuradas e simples bem características da arquitetura da restauração.

A habitação distribui-se por dois pisos, sendo o térreo, do lado da fachada, muito dissimulado e apresentando apenas meias janelas. Do lado posterior, os dois pisos estão claramente definidos e o piso nobre apresenta duas loggias nas extremidades com três arcadas. Há uma significativa ausência de elementos decorativos no exterior. Ao contrário, no interior, veremos que a riqueza decorativa é uma constante – sobretudo ao nível da azulejaria e da pintura de grotescos. A capela, que na fachada identificamos no extremo esquerdo por uma sineira e por uma pequena cruz, é um dos mais interessantes edifícios da propriedade.

Até aos dias contemporâneos a estrutura não sofreu alterações significativas.

Está classificada como Monumento de Interesse Público (Portaria 740-DE/2012).